O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) cumprimentou os 74 senadores que junto com ele votaram pela aprovação do decreto da calamidade pública (PDL 88/2020) por unanimidade, marcando um momento histórico para o Senado Federal e também para o país.

— É o Brasil dando novamente um exemplo com o Senado fazendo esta sessão virtual. Estamos fazendo a nossa parte votando por unanimidade esse decreto de emergência enviado pelo presidente da República — afirmou.
Em isolamento social para evitar o contágio pelo coronavírus por causa da idade (69 anos), Heinze participou da votação de seu escritório, em São Borja (RS). No discurso feito pela internet, o senador também parabenizou as equipes técnicas do Senado que proporcionaram a realização da votação remota e desejou boa recuperação aos senadores que estão com a covid-19 e não puderam participar da sessão.
— Quero desejar o pronto restabelecimento dos nossos colegas, senador Prisco Viana, senador Davi Alcolumbre e Senador Nelsinho Trad, e também do nosso Gen. Augusto Heleno [ministro do Gabinete de Segurança Institucional], que contraíram essa doença, assim como o ministro Bento Albuquerque [de Minas e Energia].
Heinze também destacou o trabalho que tem sido feito pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.
SECA
No discurso, Heinze também chamou a atenção para o problema da estiagem que tem sido enfrentado pelos agricultores do Rio Grande do Sul.
— Nós temos hoje 188 municípios gaúchos que decretaram situação de emergência em razão da seca. Então, aproveito esta oportunidade para pedir providências à ministra [da Agricultura, Pecuária e Abastecimento], Tereza Cristina, ao Ministro [da Economia], Paulo Guedes, ao Banco do Brasil, ao Banco Central, ao BNDES e aos bancos em geral, para que ajudem mais de 100 mil agricultores que têm uma perda hoje, já garantida, de mais de R$15 bilhões, na soja, no milho, no leite, no fumo, no arroz, em várias atividades agrícolas — afirmou.
Fonte: Agência Senado